Sepe/Dieese
12/06/2012
Escolas estaduais paralisam quinta e podem entrar em greve em defesa dos triênios – servidores devem fazer assembleia unificada
Compartilhar


Os profissionais da educação das escolas estaduais vão paralisar as atividades nesta quinta-feira, dia 14, em defesa do triênio pago nos salários dos servidores. No mesmo dia da paralisação, a assembleia da categoria, que será realizada às 10h, no Clube Municipal, na Tijuca (Rua Hadock Lobo, 359, Tijuca), vai discutir se as escolas entram em greve. Na parte da tarde, ocorrerá uma passeata com a participação de diversas categorias de servidores do estado, com concentração às 13h, na Candelária, Centro do Rio. A passeata está sendo organizada pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE).

Em maio, o governador Cabral entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN nº 4782), pedindo uma liminar para suspender os efeitos da Constituição Estadual, que garante aos servidores civis do estado a gratificação por tempo de serviço (triênios) sobre o valor dos vencimentos

Caso a ADIN seja aceita pelo STF, Cabral poderá cortar um direito que é uma conquista histórica do funcionalismo do estado. 

Além dos profissionais de educação, participarão da passeata os servidores estaduais das escolas técnicas (Faetec), UERJ, Justiça, Saúde, entre outros.

Servidores deverão realizar assembleia conjunta e poderão deflagrar uma greve unificada:

Em reunião realizada na tarde de ontem, segunda-feira (11), as entidades que compõem o MUSPE aprovaram um indicativo de realização de assembleia conjunta do funcionalismo estadual para o dia 19 de junho, às 15h, na Concha Acústica da UERJ. 

Este indicativo de realização de uma assembleia conjunta dos segmentos do funcionalismo será discutido por cada categoria em separado nas suas assembleias, que estão sendo realizadas durante esta semana e na semana que vem até o dia proposto para a realização da assembleia unificada, que poderá deflagrar uma greve geral do funcionalismo estadual, em luta contra a ADIN do governador que pede o fim dos triênios.

Desde o anúncio de que o governador havia entrado no STF com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra as gratificações do funcionalismo estadual por tempo de serviço os servidores estão se mobilizando, realizando assembleias e atividades contra mais um ataque de Cabral contra o serviço público em nosso estado.

Ontem (dia 11), a UERJ entrou em greve por tempo indeterminado e uma das reivindicações dos profissionais da universidade estadual é justamente a retirada da ação do governador contra os triênios.


Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do RJ
Endereço: Rua Evaristo da Veiga, 55 - 8º andar - Centro - Rio de Janeiro/RJ
Telefone: (21) 2195-0450